Portal Estudante
29 Junho 2020

Ainda há catástrofes naturais?

Ainda há catástrofes naturais?

Há anos, traduzi um texto com um título sugestivo e curiosamente atual—Ainda há catástrofes naturais?—, do filósofo francês Jean-Pierre Dupuy. 

O texto evoca uma controvérsia a propósito do terramoto de Lisboa de 1755, que pôs em causa a visão até então dominante—defendida anos antes por Leibniz— segundo a qual há um sentido para tudo, mesmo para o mal, apesar de nós não sermos capazes de o compreender, pois na grande ordem das coisas este mal é, afinal, para nosso bem. Esta postura seria criticada por Rousseau, que defendeu que, se o terramoto era «natural», a destruição por este produzida era bem humana, devendo-se à insensatez de construir grandes aglomerados urbanos. Ou seja, a catástrofe deveria ser imputada às pessoas e às decisões que tomavam.

Quer parecer-me que esta discussão tem uma curiosa atualidade, e em vários sentidos. É que também hoje nos deparamos, de um lado, com os que evocam a ordem e a normalidade, à qual é necessário regressarmos o mais depressa possível—vamos chamar-lhes neo-Leibnizianos. Estes assinalam que a paragem a que a pandemia obriga causa uma enorme recessão económica e faz subir a taxa de desemprego, pelo que a atitude certa a tomar é regressar rapidamente ao melhor dos mundos possíveis—o mundo capitalista ordenado pelo mercado. Do outro lado estão os que responsabilizam a humanidade, quer pelo vírus —a devastação de habitats e o consumo de espécies selvagens possibilitam a propagação de organismos letais para nós—, quer pelo alcance da pandemia, que se propagou com extrema rapidez graças à globalização—chamemos-lhes neo-Rousseaunianos.

Pode argumentar-se que estamos perante uma saudável manifestação da liberdade de opinião. Talvez sim, talvez não. Infelizmente, a discussão rapidamente deixou de lado a argumentação para se transformar em mais um episódio de uma luta ideológica que não procura o entendimento, mas a redução da posição oposta ao absurdo, e até a sua demonização. Dessa perspetiva dualista em extremo, os neo-Leibnizianos seriam fanáticos capitalistas, para além de negacionistas das alterações climáticas. E os neo-Rousseauneanos seriam uns perigosos luditas e totalitaristas em potência, ansiando pela segunda vinda do salvador Estaline (visão muito em voga entre alguns cronistas da nossa praça). Tal como com outros assuntos, assiste-se à extrema politização de um tema da maior importância, e sobre o qual deveríamos debater sem preconceitos.

O que estas posições extremadas se recusam a reconhecer, é a existência de cambiantes. Nem todos os amigos da natureza estão dispostos a abdicar da tecnologia, e não faltam os defensores do ambiente que acreditam nas vantagens do sector privado e na sua capacidade e vontade de apoiar a produção sustentável. Nem todos os partidários do liberalismo económico negam as alterações climáticas, e muitos estão empenhados na conservação da natureza e na promoção da responsabilidade social. Não quero com isto negar o papel das diferenças ideológicas, até porque acredito que estas moldam fortemente o nosso modo de pensar o mundo. Mas também não acredito que essas diferenças possam constituir uma desculpa para a demonização do outro a que se dedicam certos textos de opinião inflamados e inflamatórios, que procuram preguiçosamente o conforto das certezas absolutas.

Talvez concordem comigo mas, na situação de divisão em que nos encontramos, concordar só não chega. Por isso termino lançando um desfio: parem de fugir daqueles amigos com quem já não conseguem conversar porque passaram «para o lado do Mal». Procurem-nos e oiçam-nos com calma. E tentem compreender a perspetiva deles. Porque a sociedade é comunicação, como há muitos anos nos ensinaram os autores da Escola de Chicago (esta é uma piscadela de olho aos meus alunos de comunicação, a quem desejo umas excelentes férias).

Alexandra Santos
Professora do IADE - Faculdade de Design, Tecnologia e Comunicação da Universidade Europeia 

Voltar

Siga-nos

CAMPUS DA QUINTA
DO BOM NOME

Estrada da Correia, nº53.
1500-210 Lisboa

CAMPUS DE SANTOS

Avenida D. Carlos I, nº4
1200-649 Lisboa – Portugal

CAMPUS DA LISPOLIS

Rua Laura Ayres, nº4
1600-510 Lisboa – Portugal

Contactos
Política de Cookies Universidade Europeia

O site da Universidade Europeia utiliza cookies próprios e de terceiros para melhorar o respetivo desempenho e a experiência do utilizador. Alguns cookies são obrigatórios para ter acesso aos conteúdos e serviços, outros são-lhe apresentados como opção e contribuem decisivamente para lhe oferecer uma experiência de qualidade superior que corresponde aos seus interesses.

Clique em ACEITAR E PROSSEGUIRpara receber todos os cookies e aceder aos conteúdos. Se pretender escolher, em concreto, os tipos de cookies, clique em OPÇÕES DE COOKIES.


Politica de Privacidade
Política de Cookies Universidade Europeia

Decida, já, se pretende prosseguir de imediato para o site, aceitando os cookies utilizados nas nossas plataformas digitais. Clique no botão seguinte (ACEITAR E PROSSEGUIR).



Ou, em alternativa, se pretender dedicar mais tempo a esta operação, escolha as suas preferências! Tem todo o tempo do mundo.

Funcionalidades Básicas
Funcionalidades Avançadas (escolha uma ou todas)

Faça as suas escolhas dos vários tipos de cookies e clique em

SUBMETER PREFERÊNCIAS

Politica de Privacidade