Portal Estudante
  • Início
  • Notícias
  • Estudo da Universidade Europeia revela níveis de insegurança laboral entre população jovem
6 Agosto 2020

Estudo da Universidade Europeia revela níveis de insegurança laboral entre população jovem

Estudo da Universidade Europeia revela níveis de insegurança laboral entre população jovem

A Universidade analisou a confiança dos portugueses em relação à segurança no trabalho em contexto de pandemia

  • Os inquiridos mais jovens revelam níveis mais elevados de insegurança laboral;
  • A insegurança relacionada com o receio de perder ou reduzir condições e qualidade do trabalho, é superior ao receio de perder o emprego;
  • O receio de perder o emprego e o receio em perder ou reduzir qualidade das condições de trabalho, é superior no género feminino;
  • A maior parte da população que não está em teletrabalho revela uma perceção de insegurança laboral mais elevada, do que a que se encontra neste regime.

 

A Universidade Europeia desenvolveu um estudo sobre a “(In)segurança Laboral”, que analisou a perceção de insegurança no trabalho e no emprego, num cenário de Pandemia COVID-19 em que progressivamente se regressa ao trabalho e à vida pessoal, na nova normalidade, com mais distanciamento físico e regras. O estudo, que analisa a “Segurança face à continuidade/manutenção do emprego” (Segurança Quantitativa) e a “Segurança face às condições e conteúdo do trabalho” (Segurança Qualitativa), demonstrou que é a população ativa mais jovem revela níveis mais elevados de insegurança laboral.

Segundo os resultados do estudo, os 1.519 inquiridos revelam alguma perceção de insegurança no trabalho de natureza qualitativa (Média = 2,62) e de natureza quantitativa (Média = 2,12), sendo que os participantes mais jovens (com idade inferior aos 25 anos) são os que reportam um nível de insegurança laboral qualitativa (Média = 2,89) e quantitativa (Média = 2,73) mais elevada. Os indivíduos com vínculos laborais temporários (com contrato a termo certo por empresas de trabalho temporário e contrato a termo) apresentam uma perceção de insegurança laboral, tanto qualitativa, como quantitativa (Média = 3,42, Média = 3,15, respetivamente) mais elevada.

Da população inquirida, as mulheres apresentaram uma perceção de insegurança laboral, de natureza qualitativa, significativamente mais elevada do que os homens (Média = 2,66 e 2,55, respetivamente). O facto de deter mais habilitações parece ter um efeito atenuador na perceção de insegurança laboral quantitativa, uma vez que os participantes no estudo com doutoramento diferem significativamente dos restantes participantes por apresentarem um valor inferior no que se refere a esta variável (Média = 1,89).

No que diz respeito ao estado civil, os participantes solteiros revelaram uma perceção de insegurança laboral, tanto qualitativa (Média = 2,79), como quantitativa (Média = 2,34), mais elevada do que os restantes conjuntos de participantes.

Os participantes que não estão em teletrabalho revelam uma perceção de insegurança laboral qualitativa (Média = 2,78) e quantitativa (Média = 2,31) mais elevada, comparativamente com os restantes participantes.

De uma forma geral, segundo o estudo da Universidade Europeia, a maior parte da população inquirida sente-se segura no trabalho face à ameaça da pandemia (Média = 3,80) e concorda que a empresa na qual trabalha manterá todos os postos de trabalho (Média = 3,54) e que assegurará as condições de segurança no trabalho necessárias face às ameaças da COVID-19 (Média = 4,02).

Neste estudo, os homens, comparativamente com as mulheres, parecem crer menos que a empresa reduzirá os postos de trabalho (Média = 2,63 e 2,74, respetivamente), e parecem sentir-se mais seguros no trabalho face à ameaça do COVID-19 (Média = 3,89 e 3,75, respetivamente).

Num ambiente macroeconómico pós-pandemia, de uma forma geral, o estudo “(In)segurança Laboral” da Universidade Europeia demonstrou haver alguma tranquilidade no que respeita a dimensões como o regresso ao posto de trabalho ou manutenção e/ou perda de emprego, indicadores que pareciam revelar maiores registos de insegurança.

Fazendo o balanço entre uma postura mais pessimista – que não permite aproveitar oportunidades nem gerar mais valias, e outra mais otimista – em que se aceita mais o risco e se investe mais, o estudo deparou-se com um contexto de alguma tranquilidade e otimismo no que concerne à segurança nas condições de trabalho e no emprego.

O estudo analisou uma amostra aleatória de pessoas empregadas, tendo reunido um total de 1519 respostas válidas. O relatório integral “(In)segurança Laboral” da Universidade Europeia, está disponível para consulta através deste link.

Voltar

Siga-nos

CAMPUS DA QUINTA
DO BOM NOME

Estrada da Correia, nº53.
1500-210 Lisboa

CAMPUS DE SANTOS

Avenida D. Carlos I, nº4
1200-649 Lisboa – Portugal

CAMPUS DA LISPOLIS

Rua Laura Ayres, nº4
1600-510 Lisboa – Portugal

Contactos
Política de Cookies Universidade Europeia

O site da Universidade Europeia utiliza cookies próprios e de terceiros para melhorar o respetivo desempenho e a experiência do utilizador. Alguns cookies são obrigatórios para ter acesso aos conteúdos e serviços, outros são-lhe apresentados como opção e contribuem decisivamente para lhe oferecer uma experiência de qualidade superior que corresponde aos seus interesses.

Clique em ACEITAR E PROSSEGUIRpara receber todos os cookies e aceder aos conteúdos. Se pretender escolher, em concreto, os tipos de cookies, clique em OPÇÕES DE COOKIES.


Politica de Privacidade
Política de Cookies Universidade Europeia

Decida, já, se pretende prosseguir de imediato para o site, aceitando os cookies utilizados nas nossas plataformas digitais. Clique no botão seguinte (ACEITAR E PROSSEGUIR).



Ou, em alternativa, se pretender dedicar mais tempo a esta operação, escolha as suas preferências! Tem todo o tempo do mundo.

Funcionalidades Básicas
Funcionalidades Avançadas (escolha uma ou todas)

Faça as suas escolhas dos vários tipos de cookies e clique em

SUBMETER PREFERÊNCIAS

Politica de Privacidade