Portal Estudante
  • Início
  • Blog
  • A parábola do joanete nestas Presidenciais
1 Fevereiro 2021

A parábola do joanete nestas Presidenciais

A parábola do joanete nestas Presidenciais

O joanete (hallux valgusdistorce o alinhamento do “dedo grande” do pé com uma protuberância óssea que tende a inflamar e a doer. Muitos portugueses, incluindo os presidentes de partidos políticos, sofrem com joanetes.

 A pressão do “dedo grande” do pé tende a deformar a articulação do segundo dedo, e assim por diante. Imaginemos um joanete inflamado à esquerda. Para lidar com a dor, o governo corporal compensa menos contacto à esquerda com mais contacto à direita, e ganha esse hábito. Mas a dor pode aliviar com um separador de correcção (e.g., uma candidatura presidencial) entre o “dedo grande” e o segundo dedo. Quando a dor é aliviada e o contacto habitual do pé esquerdo regressa, os movimentos à direita aumentam de amplitude.

Na noite das Presidenciais 2021, as elocuções dos presidentes dos partidos políticos com maior eleitorado, Carlos César e Rui Rio, foram um regabofe demagógico de podologia. Aludindo ao último, o seu discurso simples tomou o distrito de Setúbal (cujo eleitorado vota tradicionalmente à esquerda) como exemplo para nos explicar que a ascensão da extrema direita radical se faz à custa dos votos – pasme-se – do eleitorado de esquerda. Pois é, nunca tínhamos pensado nisso! E que força operacional tem este discurso na prevenção da “tal” ameaça antidemocrática? Como o joanete, agrava-se com o tempo, deformando o pé que sustenta o seu eleitorado.

Primeiro dedo, Rio orbitou em torno dessa extrapolação irracional para justificar que a influência política da aliança regional do PSD com “o tal” ficou circunscrita à casuística eleitoral Açoriana. Segundo, e mais grave, Rio “normalizou” o share de 12% de Ventura perante o seu próprio eleitorado, enquanto sacudia para a esquerda a água do capote. Terceiro, Rio não examinou a causalidade do fenómeno eleitoral em termos demográficos. Ele esquece uma franja de sociais-democratas descontentes que foram “empurrados” para a outra margem pela carnificina imobiliária. Para esses, o seu discurso é tão operante como meditar na Feira da Ladra. Quarto dedo, ao saracotear-se entre “novas” alianças, Rio menosprezou e enfraqueceu a representatividade dos tradicionais aliados políticos do PSD, outorgando ao Chega força parlamentar. Noutras palavras, Rio tornou o PSD refém do “tal” partido em coligações futuras – um pesadelo vindouro. Finalmente, em êxtase eleitoralista, tornou a esquerda Portuguesa liliputiana. Qual Grindelwald, Rio enfeitiçou os votos apurados nas Presidenciais de 2016 no distrito de Setúbal e criou uma estatística que só ele entende. Recorde-se que à época Marcelo Rebelo de Sousa (37,89%) foi o candidato mais votado, e os votos “dispersos” dos candidatos de esquerda atingiram mais de 50%. No passado domingo, Marcelo reforçou a sua posição com quase 20% de votos, enquanto a esquerda “desapareceu” para 28,65%. Parece claro que a esquerda de Setúbal quis assegurar o Presidente em funções e não “saltou” ideologicamente para o parceiro de coligações do PSD. Como se trata isto? É idiopático, ande e durma para o lado em que se julgue menos vulnerável.

Opinião de Amadeu Quelhas Martins, Professor Auxiliar na Universidade Europeia
O autor não escreve segundo o Novo Acordo Ortográfico

Voltar

Siga-nos

CAMPUS DA QUINTA
DO BOM NOME

Estrada da Correia, nº53.
1500-210 Lisboa

CAMPUS DE SANTOS

Avenida D. Carlos I, nº4
1200-649 Lisboa – Portugal

CAMPUS DA LISPOLIS

Rua Laura Ayres, nº4
1600-510 Lisboa – Portugal

Contactos
Política de Cookies Universidade Europeia

O site da Universidade Europeia utiliza cookies próprios e de terceiros para melhorar o respetivo desempenho e a experiência do utilizador. Alguns cookies são obrigatórios para ter acesso aos conteúdos e serviços, outros são-lhe apresentados como opção e contribuem decisivamente para lhe oferecer uma experiência de qualidade superior que corresponde aos seus interesses.

Clique em ACEITAR E PROSSEGUIRpara receber todos os cookies e aceder aos conteúdos. Se pretender escolher, em concreto, os tipos de cookies, clique em OPÇÕES DE COOKIES.


Politica de Privacidade
Política de Cookies Universidade Europeia

Decida, já, se pretende prosseguir de imediato para o site, aceitando os cookies utilizados nas nossas plataformas digitais. Clique no botão seguinte (ACEITAR E PROSSEGUIR).



Ou, em alternativa, se pretender dedicar mais tempo a esta operação, escolha as suas preferências! Tem todo o tempo do mundo.

Funcionalidades Básicas
Funcionalidades Avançadas (escolha uma ou todas)

Faça as suas escolhas dos vários tipos de cookies e clique em

SUBMETER PREFERÊNCIAS

Politica de Privacidade